Convulsão em cachorro: saiba o que causa e como ajudar

A convulsão em cachorro é mais comum do que parece. Não à toa, é uma situação que costuma causar desespero em seus tutores, mas tem tratamento. Ainda assim, é um episódio de saúde que precisa ser assistido de perto para evitar que o pet sofra alguma sequela grave. Entenda o que pode causar e como ajudar na hora que isso acontecer. Entenda o que é a convulsão em cachorro A convulsão em cachorro pode ser causada por diferentes motivos, mas com a mesma reação no organismo do pet. É considerada uma crise, que pode ser fruto de lesões ou pela presença de alguma substância que altera as funções cerebrais. A crise provoca disparos elétricos semelhantes a um curto-circuito e, na maioria das vezes, o pet sofre espasmos corporais (movimentos involuntários) e salivação (baba). O que causa convulsão em cachorro? A convulsão em cachorro pode surgir por diversas causas, as mais comuns são: Intoxicação por venenos; Traumas cranianos; Distúrbios metabólicos; Inflamações e infecções; Tumores cerebrais; Epilepsia. Algumas raças possuem mais chances de ter essa crise, por questões genéticas ou, até mesmo, a convulsão pode ser o sinal de outra doença. Você pode se interessar: Alimento que cachorro não pode comer Sintomas de convulsão em cachorro Nem sempre é fácil reconhecer quando o pet está apresentando uma convulsão, visto que ela pode ter diversas apresentações. No quadro mais comum, ela afeta o corpo todo do paciente, e pode durar desde poucos segundos até dois minutos, mas isso não é uma regra. Fique sempre em alerta e tenha um contato de um médico veterinário de confiança caso isso venha acontecer. Para conseguir identificar se seu cachorro está convulsionando, fique atento aos seguintes sinais: Movimento involuntário do corpo; Salivando muito (com ou sem espuma); Incontinência urinária e/ou fecal; Perda de consciência; Confusão; Vocalização (latidos, choros ou uivos); Rigidez muscular. Esses sintomas também são muito semelhantes à epilepsia em cachorro, que é uma doença crônica relacionada ao sistema nervoso central. Por isso, fique atento. Convulsão x Epilepsia Existe muita dúvida em relação à convulsão e à epilepsia. Para entender se são a mesma coisa ou não, saiba que a convulsão é o sintoma, que é caracterizado pela contração involuntária do músculo, podendo ser uma parte isolada do corpo ou o corpo inteiro por alterações em consciência e muitas vezes por contrações involuntárias de um grupo muscular ou até mesmo do corpo inteiro. Enquanto na epilepsia, as crises convulsivas são um sintoma da doença. A Epilepsia é uma doença neurológica crônica, cujo principal sintoma são as crises convulsivas. Nem sempre, um pet que sofre uma convulsão é porque tem epilepsia. O que fazer em caso de convulsão em cachorro Ao ver que seu amigo está apresentando sintomas de convulsão, tente não entrar em desespero, pois a calma é muito importante nessa hora para tentar ajudá-lo da melhor maneira: De início, tente deixar seu pet na posição mais confortável e em um local em que ele não corra o risco de cair, para reduzir os impactos da crise e as chances de sequelas; Evite ficar perto da boca do pet, porque involuntariamente ele pode te morder. Tente se aproximar e colocar uma almofada para apoiar a cabeça dele, evitando que o choque com o chão cause problemas maiores. Após a crise, se comunique tranquilamente com o seu amiguinho para não causar mais impactos e acalmá-lo. Assim que acontecer, entre em contato com um profissional de confiança e veja suas orientações, afinal, o tratamento, incluindo remédio para convulsão em cachorro e a prevenção, dependem da origem do problema. vai desde de o uso de remédio para convulsão em cachorro até mesmo internação, dependendo da origem do problema e da gravidade das crises. Saiba mais: Gravidez e pets Como tratar convulsão em cachorro Convulsão em cachorro pode ter cura de acordo com o diagnóstico, mas existem tratamentos que garantem a qualidade de vida para nossos amiguinhos, então não deixe de levá-lo ao seu veterinário de confiança para avaliar as possibilidades diagnósticas e terapêuticas. Em muitos casos, o médico pode pedir diversos exames laboratoriais e de imagem, como tomografia e ressonância. Esses exames vão possibilitar uma visão geral do organismo do seu pet, e o veterinário poderá diagnosticar o motivo principal da origem da convulsão. Além disso, saiba que uma convulsão em cachorro idoso merece ainda mais atenção porque ele poderá estar com a saúde mais debilitada devido à idade. Assim, é imprescindível buscar ajuda especializada. Prevenção Para favorecer o bem-estar e a saúde do seu amiguinho, é extremamente importante que mantenha todas as vacinas e exames necessários em dia, visite o veterinário regularmente e siga todas as orientações do mesmo. Conheça a Inova A Inova é um hospital veterinário 24h que nasceu com a missão de oferecer o melhor para o seu pet a qualquer hora do dia, transmitindo segurança aos seus tutores. Com 2 unidades de atendimento, a clínica de especialidades da Inova, é um local que oferece rapidez no diagnóstico e no tratamento. Foi criada para entregar mais conforto aos atendimentos rotineiros e prontos para receber o encaminhamento após um acompanhamento com o veterinário. Além das diversas especialidades, a Inova tem uma estrutura completa para atender tudo que o seu pet precisar, oferecendo ambulatório central, diagnóstico por imagem, emergência e pronto atendimento, internação, microchipagem, entre outros serviços. Temos parceria com a Prime Diagnóstico Veterinário, oferecendo o serviço de tomografia caso seu pet necessite. Entre em contato conosco, venha fazer uma visita para conhecer nosso espaço pensado para seu pet do coração.

A convulsão em cachorro é mais comum do que parece. Não à toa, é uma  situação que costuma causar desespero em seus tutores, mas tem tratamento. Ainda assim, é um episódio de saúde que precisa ser assistido de perto para evitar que o pet sofra alguma sequela grave. Entenda o que pode causar e como […]

Nomes de cachorro: conheça os mais populares

Existem uma variedade de nomes de cachorro, por isso, ao adotar um amiguinho novo, a dúvida de qual nome escolher pode ser enorme. É provável que a pessoa fique divagando sobre nomes que combinam com a raça e estilo do cachorro, até mesmo se perguntando se o pet tem a ‘cara’ daquele nome. Separamos os nomes mais populares para tornar essa decisão um pouco mais fácil. Leia no texto abaixo! Nomes de cachorro Nomes de cachorros não faltam, podem ser nomes de comida, de famosos, de deuses, personagens, etc. As possibilidades para quem tem um novo amiguinho são inúmeras. Que tal conhecer algumas opções para ajudar na sua escolha? Nomes de cachorro fêmea Separamos 30 possibilidades para nomes de cadelas, confira abaixo: Amora; Ariel; Atena; Babi. Belinha/Bela; Charlotte; Cindy; Cristal; Estrela; Lassie; Lilica; Lindinha; Lola; Lolita; Lua; Luna; Margoti; Maya; Meg; Mel; Nala; Nina; Paçoca; Panqueca; Pipoca; Pituca; Princesa; Sol; Valentina; Zara; Nomes de cachorro macho Para escolher o nome de cachorro macho, também separamos os 30 mais populares abaixo: Apolo; Bobby; Bóris; Bruce; Chocolate; Cookie; Costelinha; Duque; Estopinha; Floquinho; Hércules; Hulk; Joca; Loki; Marley; Max; Mike; Pantera; Pingo; Pulga; Romeu; Snoopy Teco; Teddy; Thor; Tobby; Tom. Totó; Tufão; Zeus; Nome de cachorro pequeno Quando se considera nomes para cachorros, características físicas são levadas em consideração. Se o cachorro é pequeno, é normal que o nome faça alusão a isso. Confira abaixo 8 nomes para cachorro pequeno: Bolinha; Dunga; Formiga; Mosca; Petit; Pitoco; Tampinha; Toquinho. Nome de cachorro bravo Se o cachorro é bravo, também existem nomes que transmitem essa característica. Confira 8 nomes para cachorro os bravos: Chucky; Guerreiro; Hades; Ninja; Rambo; Samurai; Sansão; Viking. Leia mais: Alimento que cachorro não pode comer Gravidez e pets Nomes de cachorros famosos Existem diversos cachorros na ficção e no cinema que são famosos. Eles são fofos, super amados e inspiram muita gente na hora de escolher o nome do seu próprio cachorro. Confira abaixo 8 nomes de cachorros famosos: Marley Esse é um dos nomes de cachorros de filmes. Quem não conhece e não chorou assistiu a história de Marley e eu? O cãozinho atrapalhado e bagunceiro conquistou os corações de muitos. Bolt Bolt, o supercão, é outro cachorro famoso da ficção. Ele é o astro de uma série de TV e acredita que tem poderes mágicos, e tem de se confrontar com situações complicadas da sua vida real. Scooby Doo Scooby Doo é o nome do cachorro e da série em que aparece. O cão é tão medroso quanto seu dono, Salsicha, e junto com mais três amigos, Fred, Velma e Daphne, investigam casos de mistério. Floquinho Floquinho é o nome do cachorro verde de Cebolinha. Ele tem tanto pelo que nem é possível saber onde é a sua cabeça. Bidu Ainda no mundo da Turma da Mônica, Bidu é o cãozinho do Franjinha que não gosta de banho e vive correndo atrás das rodas. Pluto Pluto é o mascote do rato mais famoso dos desenhos do Mickey. É destrambelhado e está sempre arrumando confusão. Pongo e Prenda Pongo e Prenda são os papais dos 101 dálmatas que são sequestrados pela Cruella de Vil. Snoopy Snoopy é o pet de estimação do Charlie Brown, em Peanuts, tira de jornal criada pelo quadrinista Charles Schulz. Qual a importância dos nomes de cachorro? A escolha do nome do cachorro pode levar um tempo, principalmente, se a pessoa ficar pensando e pesquisando por nome de cachorro bonito ou nomes de cachorro engraçados. Mas a escolha de um nome é muito importante para o cão. Os cães não têm a capacidade de entender o significado da palavra, mas ao nomeá-los e passar a chamar sempre da mesma forma, ele entende como um comando, então sempre que ouvir vai ficar alerta. Para o adestramento, também é importante, pois o nome é muito utilizado para que ele siga os comandos e aprenda a obedecer o seu tutor. Se ele se perder, ter um nome vai ajudar a identificá-lo, pois ele pode ‘responder’ caso a pessoa que o encontre o chame. Leia também: Pet friendly

Existem uma variedade de nomes de cachorro, por isso, ao adotar um amiguinho novo, a dúvida de qual nome escolher pode ser enorme.  É provável que a pessoa fique divagando sobre nomes que combinam com a raça e estilo do cachorro, até mesmo se perguntando se o pet tem a ‘cara’ daquele nome.  Separamos os […]

Pug: saiba tudo sobre essa raça

O pug é uma raça extremamente fofa e amada por todos que estão a procura de um novo amiguinho para ser seu companheiro, já que é extremamente amigável e dócil. Saiba mais sobre essa raça tão popular. O que é pug? O pug é uma raça originária da China, muito presente na dinastia chinesa. Mas esta raça só se popularizou quando chegou à Europa, onde também caiu nas graças da realeza. Josephine Bonaparte, a primeira esposa de Napoleão Bonaparte, era a tutora de um cachorro pug ao qual deu o nome de Fortune. Segundo uma lenda, quando foi presa em Les Cames, ela se comunicava com Napoleão por meio de bilhetes escondidos na coleira do pet. Hoje em dia, o pug é um dos cachorros preferidos das famílias que possuem crianças, pois se dá muito bem com elas, além de ser extremamente dócil, carinhoso e calmo. Quanto tempo vive um pug? Diversos fatores podem influenciar no tempo de vida de um cachorro. Os cuidados que recebe, tipo de ração que come e até fatores genéticos, mas a raça de cachorro pug tem uma expectativa de vida média de 12 a 15 anos. Pug: principais características O pug possui algumas características físicas inconfundíveis, como o focinho curto e achatado, baixa estatura, rabo enrolado e dobras espalhadas pelo corpo. Essa raça costuma ter entre 20 e 30 cm de altura, pesando entre 6 e 10 kg, ou seja, é um cachorro que pode estar um pouco acima do peso, considerando sua estatura. Essa raça tem predisposição ao ganho de peso, por isso fiquem atentos com sua alimentação. Seus pelos são sempre curtos e macios, que exigem alguns cuidados para que estejam sempre sedosos e no melhor estado. Além disso, é possível que a sua pelagem seja em tom preto ou bege, mas independentemente da sua cor, suas orelhas sempre serão pretas. Leia mais: Pet friendly Lhasa e shitsu Pug: personalidade O pug é um cachorro dócil e amável. Adora receber carinho de seu tutor e demonstrar seu amor por eles, por isso é importante separar um tempo do seu dia para se dedicar ao seu pug. É uma espécie bastante procurada por pessoas que possuem crianças em casa ou moram em apartamentos, pois é uma raça com bastante paciência e que não precisa de muito espaço. Como cuidar de um pug? Qualquer pessoa que queira se tornar tutora de um pug ou qualquer outro pet deve conhecer as suas características e cuidados necessários. Isso porque cada raça possui uma anatomia e pode estar propensa a desenvolver certas doenças. Em relação a isso, o pug é um cachorro que tem tendência a engordar, por isso, sua alimentação requer uma atenção especial e ração de qualidade. E apesar dessa tendência de aumento no peso, eles não podem ser submetidos a exercícios físicos muito intenso, por conta de sua anatomia respiratória. Segundo os veterinários(as) que atendem os pugs da Inova, essa raça pode desenvolver problemas de respiração e costuma passar mal em lugares quentes. Isso acontece porque são braquicefálicos, ou seja, a conformação do crânio é curta e o focinho achatado. Isso torna difícil a troca de calor corporal (expulsão do ar quente de dentro do corpo) o que faz com que esses pets possam sofrer com hipertermia, que é o aumento da temperatura corporal e que pode ser fatal se não for controlada a tempo. As suas rugas também exigem cuidados especiais, pois são propícias para proliferação de fungos e bactérias. É preciso que o tutor mantenha a higiene do pet sempre em dia, limpando as dobrinhas com um pano seco, lenço umedecido próprio para cães ou produtos indicados pelo seu médico veterinário. Pug: principais doenças Assim como em outras raças, os pugs possuem predisposição genética para algumas doenças. Confira os principais problemas de saúde dos pugs: Úlceras na córnea Por possuírem globos oculares proeminentes, é comum que o pug desenvolva úlceras em sua córnea. Isso pode acontecer por lesões com objetos ou pelos que entram nos olhos. Existem casos onde suas pálpebras são viradas para dentro e isso também leva ao aparecimento das úlceras, além de incômodo nos olhos, secreção ocular e lacrimejamento intenso. Luxação da patela Outro problema de saúde bastante comum entre os pugs é a luxação da patela, que nada mais é do que um deslocamento de um osso do joelho. Esse deslocamento pode acontecer na parte externa da perna (lateral), ou para a parte interna (medial). Os dois casos podem causar desconforto ou até mesmo muita dor ao cachorro, fazendo com que ele comece a mancar e podendo surgir outras complicações. Esse problema, na maioria das vezes, é uma questão congênita, mas também pode ocorrer por conta de batidas, quedas ou outros traumas. É mais comum em cachorros de pequeno porte, como os pugs. Dermatite Por possuir muitas dobrinhas, o pug é uma raça que costuma desenvolver dermatite. Por isso, é de extrema importância que o tutor mantenha a higiene do seu pet em dia e o acompanhamento com um veterinário dermatologista. Leia também: Golden Queda de pelo em cachorro Pug filhote: curiosidade O pug é um cachorro com várias particularidades, principalmente quando ainda é pequeno. Uma curiosidade sobre a raça é que o filhote de pug nasce cego, surdo e sem os dentes. O cachorro pug filhote leva duas semanas para começar a escutar e abrir os olhos para o mundo. Você é tutor de um pug? Conte com a Inova para check-ups, consultas de rotina e em casos do cãozinho apresentar algum sintoma diferente!

O pug é uma raça extremamente fofa e amada por todos que estão a procura de um novo amiguinho para ser seu companheiro, já que é extremamente amigável e dócil.  Saiba mais sobre essa raça tão popular.  O que é pug? O pug é uma raça originária da China, muito presente na dinastia chinesa. Mas […]

Dirofilariose canina: entenda o que é essa zoonose grave

Quem é tutor de um cão, provavelmente, já ouviu falar sobre a dirofilariose canina. Conhecida também como verme do coração, essa é uma doença parasitária comum entre os cães, causada por um parasita nematoide. Veja no texto todas as informações sobre a doença e como proteger o seu amiguinho. O que é dirofilariose canina? A dirofilariose canina é uma doença transmitida por meio da picada de diversas espécies de mosquitos (como o Aedes aegypti, transmissor da dengue), que tenham picado um outro cão infectado antes. De acordo com a American Heartworm Society, o ciclo da dirofilariose canina (verme do coração) se inicia quando um mosquito pica e se alimenta de sangue de um cão infectado. Os vermes bebês levam de 10 a 14 dias para chegar ao estágio infeccioso. Sendo assim, ao picar um outro pet, que não está infectado, deposita larvas infectantes na superfície da sua pele e elas entram no seu novo hospedeiro pelo local da picada do mosquito. Depois que o pet está infectado, leva aproximadamente 6 meses para as larvas se tornarem vermes adultos, que podem viver de 5 a 7 anos em cachorros. Por ser transmitida por mosquitos, é uma doença mais comum na época do calor, pois é quando há uma maior quantidade desses insetos, já que eles se desenvolvem e reproduzem nessa época. A dirofilariose canina também é uma zoonose, ou seja, uma doença que pode ser transmitida do pet para o ser humano, caso os cuidados necessários não sejam tomados. Leia mais: Pancoleucopenia felina Doença do gato Dirofilariose canina: sintomas Na sua fase inicial, é comum que os cães não apresentem sintomas ou apresentem de forma bem leve, momento que a doença ainda não levanta suspeitas. Mas, conforme o tempo vai passando e a infecção vai progredindo, os cães entram em um estágio mais avançado e começam a apresentar alguns sintomas como: Tosse leve; Relutância de realizar exercícios físicos; Fadiga; Diminuição do apetite; Perda de peso. Com a evolução dos parasitas, novos sintomas começam a aparecer: Insuficiência cardíaca; Barriga inchada por conta do líquido no abdômen. À medida que a dirofilariose canina vai progredindo, é possível que cause um bloqueio do fluxo sanguíneo no coração do pet, o que pode gerar um colapso cardiovascular. Quando o bloqueio acontece, os tutores podem percebê-lo, pois o cão não consegue respirar direito, sua urina fica escura e suas gengivas ficam pálidas. Caso note algo diferente em seu pet, a recomendação é procurar um veterinário urgentemente, pois apenas a cirurgia para remoção do bloqueio conseguirá salvá-lo. Você pode querer saber mais: Leishmaniose Pet transmite doença? Dirofilariose canina: tratamento Assim como qualquer outra doença, quanto mais cedo ocorrer o diagnóstico da dirofilariose canina, melhor será o tratamento e maiores serão as chances de recuperação. Mas a boa notícia é que a dirofilariose canina tem cura e o diagnóstico é feito por exame de sangue, que indicará se o pet tem ou não a doença. O protocolo de tratamento da dirofilariose canina deve ser criado apenas pelo veterinário e não é recomendado que o tutor tente medicar o pet em casa. O tratamento para o verme do coração será realizado com remédios na quantidade indicada pelo veterinário, podendo ser necessário o uso de medicamentos para o coração. Isso acontece quando a doença avança bastante, chegando em fases prejudiciais. Também é possível que adulticidas e microfilaricidas sejam utilizados, tudo irá depender da fase em que a doença foi diagnosticada e o quão grave está. Como é uma doença que ataca, principalmente, o coração do pet, podem ocorrer casos nos quais ele precise tomar remédios para o resto da vida. Leia também: Alimento que cachorro não pode comer Verme em cachorro Dirofilariose canina: prevenção Depois de ler e saber mais sobre a doença, é provável que os tutores queiram saber como prevenir a dirofilariose canina. Como é transmitida pela picada do mosquito, a melhor prevenção da dirofilariose canina é utilizar coleiras, sprays ou pipetas com ação repelente, para evitar a picada do inseto. Dirofilariose canina: vermifugação Podemos também evitar a progressão da doença por meio da vermifugação preventiva. A vermifugação é por uma medicação oral, que deve ser administrada periodicamente. Esse vermicida/antiparasitário injetável é chamado de ProHeart SP-12 e protege seu cachorro por um período de 12 meses. Quer prevenir o seu pet? A lista de aplicação para o ProHeart acontecerá em setembro de 2022, para se inscrever basta nos enviar alguns dados: - Nome completo do tutor; - Telefone com o DDD; - Nome do pet; - Peso do pet. Seu pet está apresentando um dos sintomas citados no texto? Não perca tempo e procure a Inova para uma avaliação.

Quem é tutor de um cão, provavelmente, já ouviu falar sobre a dirofilariose canina. Conhecida também como verme do coração, essa é uma doença parasitária comum entre os cães, causada por um parasita nematoide.  Veja no texto todas as informações sobre a doença e como proteger o seu amiguinho.  O que é dirofilariose canina? A […]

RG Pet: entenda o que é, a importância e como emitir

Você já ouviu falar em RG Pet? Esse é o principal registro da população pet no Brasil e tem como objetivo identificar os animais domésticos com segurança e confiabilidade por meio de um número, assim como acontece com o RG dos seres humanos. Entenda mais sobre essa solução que pode ajudar e proteger os seus pets. RG Pet: o que é? O RG Pet é um sistema criado e desenvolvido pelo Instituto Pet Brasil, entidade de representação oficial do setor PET no Brasil. Busca cadastrar os pets em um número único, que também é intransferível e insubstituível. Esse cadastro irá vincular diversas informações cadastrais do pet e seu tutor, concentrando todo o histórico e atividades principais em um único registro. No momento, é possível fazer RG Pet para gatos, cachorros, pássaros, canoras, ornamentais, peixes, pequenos roedores e répteis. RG Pet: importância O RG para pets é de extrema importância para garantir a identificação dos pets por meio de um chip ou sistema biométrico, garantindo a reciprocidade da informação do pet com o seu RG. É um processo similar ao RG que os seres humanos utilizam. O cadastro do RG de Pet também permite benefícios como: Controle e contagem da população pet; Estatísticas confiáveis acerca da população pet no Brasil; Responsabilizar o proprietário no caso de abandono do pet (promoção da posse responsável); Centralização do prontuário veterinário e vacinas; Promoções junto à rede de Pet shops e veterinários parceiros. Leia mais: Pet friendly Gravidez e pets Como fazer o rg do meu pet? Como fazer o RG do pet, com certeza, é uma grande dúvida dos tutores após ficarem sabendo sobre a existência desse registro e da sua importância. O processo é muito simples e fácil. Será preciso apenas realizar o cadastro dos dados do tutor, como nome, CPF, endereço, celular etc. e do pet no site do RG Pet. O número de RG do pet será atribuído a ele quando o cadastro for finalizado. O processo de cadastro e criação do RG Pet é gratuito, mas, caso o tutor queira realizar a etapa da identificação (chip ou sistema biométrico), precisa procurar um veterinário, pet shop ou clínica credenciada para finalizar o processo. Essa parte é paga diretamente para quem fizer a implantação. Não é um procedimento obrigatório, mas garante a reciprocidade entre o cadastro e o pet. Microchipagem Os microchips são minicircuitos do tamanho de um grão de arroz, produzidos para serem implantados sob a pele dos pets. O material utilizado é biocompatível, ou seja, não causa nenhum tipo de reação no seu amiguinho ou no local de aplicação. Essa identidade (RG Pet) faz com que o pet seja facilmente identificado em clínicas veterinárias e centro de zoonoses, oferecendo segurança para ele e auxiliando em sua identificação em caso de fuga, perda ou roubo. Leia também: Como cuidar de um cágado Pet transmite doença? RG Pet: faça a aplicação do chip na Inova! Depois de descobrir como fazer RG para pet, quem estiver procurando por um hospital veterinário para fazer a aplicação do chip subcutâneo pode contar com a Inova. A Inova oferece o serviço de microchipagem, que é uma forma moderna e eficaz de identificação dos pets. A aplicação é simples e rápida, seguindo os princípios da administração subcutânea de qualquer medicamento, podendo ser realizada a partir dos 2 meses de idade. A Inova respeita as normas internacionais quanto ao local de aplicação do transponder, ou seja, no subcutâneo do dorso, entre as escápulas. Após a implantação, o microchip não requer nenhum tipo de manutenção e permanece ativo durante toda a vida do pet. Ficou interessado em registrar o seu pet? Faça o RG Pet grátis e procure a Inova para Implantação do chip.

Você já ouviu falar em RG Pet? Esse é o principal registro da população pet no Brasil e tem como objetivo identificar os animais domésticos com segurança e confiabilidade por meio de um número, assim como acontece com o RG dos seres humanos.  Entenda mais sobre essa solução que pode ajudar e proteger os seus […]