Cinomose: principais dúvidas! | Inova Veterinária

A cinomose é uma doença viral causada por um vírus semelhante ao sarampo, um PARAMIXOVIRUS.  Geralmente, a cinomose apresenta sintomas de doença gastrintestinal (diarreia e vômitos) e/ou doença respiratória (rinite e pneumonia) antes do acometimento neurológico ou mesmo pode ser concomitante com a disfunção neurológica, o conjunto de sintomas reforçam o diagnóstico.  Entre os sintomas comuns estão ressecamento (hiperqueratose) do nariz e coxins, conjuntivite mucopurulenta, rinite mucopurulenta e coriorretinite (acometimento ocular com secreção).

Os cães jovens acometidos por cinomose apresentam sintomas cerebrais, isto é, convulsão, alteração de comportamento, coma ou semi-comatoso, cegueira, mudança de comportamento e vocalização excessiva, como gritos que aparentam dor são muito comuns. Já os cães acima de um ano tendem a manifestar sinais de tronco encefálico, cerebelo e medula espinhal, perda de equilíbrio, ataxia, incoordenação, alterações de andar e perda de força dos membros, quando popularmente as pessoas falam que “descadera”. Cães mais velhos apresentam lesões cerebrais mais leves levando a alterações de comportamento e déficits visuais sem necessariamente apresentar convulsão.

A cinomose não acomete gatos e nem humanos, dessa forma não existe risco de contágio, no entanto pode infectar cachorros do mato e furões. A mioclonia, a contração muscular rítmica e repetitiva (tics), é um acometimento muito comum na cinomose.

A mioclonia é causada pelo vírus da cinomose em 90% das vezes que se apresenta no consultório veterinário por isso o veterinário chega a esse diagnóstico quando observa a mioclonia, dando a ele mais certeza que se trata dessa doença.

Existe uma dificuldade muito grande para fechar o diagnóstico, os testes sorológicos e moleculares confirmam somente 50% dos casos, tendo um alto índice de falso negativo. Dessa forma, o veterinário terá dificuldade em confirmar a sua suspeita por meio de exames laboratoriais sendo necessário a confiança do tutor na sua conduta, e mesmo na interpretação dos sintomas apresentados.

O tratamento também gera muita contradição, não existe um tratamento considerado eficaz para matar o vírus, fato que ocorre em muitas doenças virais humanas principalmente quando acometem o sistema nervoso. As mais citadas são a poliomielite e o sarampo, para a Medicina o que funciona é a VACINAÇÃO. Devemos vacinar 90% da população para assegurarmos a não circulação do vírus.  A vacinação contra a cinomose só abrange em torno de 40-60% da população canina no Brasil. Na Europa, Canadá e EUA praticamente não existe a cinomose porque atingem os 90% da população canina vacinada.

Quando se depara com um caso de cinomose (suspeita) recomenda-se o tratamento sintomático, e quando atinge o sistema nervoso central, indica-se uso de vitaminas e medicamentos específicos que ajudam na resposta do organismo as lesões do vírus. O que não se sabe é como o vírus está agindo e lesando o Sistema Nervoso. Existem mais de cinco formas de destruição do sistema nervoso que agem de formas distintas aos medicamentos. Mesmo o diagnóstico e tratamento serem muito frustrantes, recomenda-se considerar sempre o tratamento indicado por um veterinário e tenham cuidado com os tratamentos alternativos que encontrarão na internet.

A melhor recomendação que pode ser dada: VACINE seu cãozinho com um veterinário quando filhote e faça os reforços em vida adulta. Isso irá garantir que ele esteja livre da dessa terrível doença.