fbpx

Hospital Veterinário 24h

Resultados de Exames

Câncer em cachorro tem cura?! Entenda!

Assim como acontece nos seres humanos, um tumor em cachorro pode ser o sinal de câncer. Primeiro vamos entender: o que é um tumor? Tumor corresponde a um aumento de volume observado em qualquer parte do corpo, esse aumento de volume é originado pelo crescimento do número de células do local. O tumor pode ser benigno ou maligno, mais comumente chamado de câncer. Essa doença é conhecida por necessitar de tratamentos delicados e precisar de bastante força e carinho dos tutores para ser vencida. A situação de ver um cachorro com câncer não é nada fácil e é exatamente por isso que é muito importante se manter bem informado sobre como proceder diante de um diagnóstico. Se você quer saber se câncer em cachorro tem cura, leia o texto abaixo! Antes de tudo, o que é um câncer? O câncer pode se manifestar na forma de tumores em seu cachorro, é uma doença bastante temida por qualquer tutor que ama o seu pet. Esta patologia é caracterizada pelo crescimento desordenado de células do animal. Também conhecido como tumor maligno, que pode se espalhar para outras regiões do organismo, o que é chamado como metástase. No tumor benigno, o crescimento das células é mais ordenado e mais lento, e em geral não se espalha para outras regiões do corpo. Mas saiba, existe tratamento para o câmcer em cachorro e milhares de histórias de casos de tratamento muito bem-sucedidos! Como identificar câncer em cachorro? Existem alguns casos em que o câncer em cão é silencioso, isto é, assintomático. O linfoma, o câncer que afeta o sistema linfático, por exemplo, é um deles, que promove o crescimento de células nos gânglios, os linfonodos. Não costuma manifestar dor, e às vezes demora para que os tutores observem algum sintoma. Por isso, é muito importante levar o pet regularmente a um veterinário, realizar exames laboratoriais e de imagem para identificação precoce dessas alterações. Apesar de acontecer em alguns casos, existem diversos outros tipos de tumor em cachorro que manifestam alguns sintomas específicos possibilitando que o tutor os identifique e encaminhe o pet o mais rápido possível a um hospital veterinário. Os sintomas de câncer em cachorro são muito semelhantes aos sintomas que aparecem nos seres humanos. Confira: Linfonodos aumentados, como os caroços em pescoço e axilas Fraqueza e apatia; Dificuldade em comer, evacuar, respirar e urinar; Sangramentos pelo corpo; Feridas que não cicatrizam; Partes do corpo inchadas. Agora que você já conhece alguns dos sintomas de câncer em cachorro, é importante ressaltar que podem ser confundidos com qualquer outra doença. Portanto, o que é importante prestar atenção para identificar câncer em cão e como o organismo está emitindo esses sinais, mesmo não sendo específicos. Por isso, o diagnóstico precoce é um grande aliado para o tratamento que virá a seguir. Tipos de tumor em cachorro Há vários tipos de tumores que podem aparecer em cachorros, veja alguns dos principais tumores cutâneos: Papiloma São causados pelo vírus do papiloma oral canino e aparecem mais comumente em cachorros mais velhos. É um tumor benigno em cachorro e possui aspecto de verruga. Lipoma São mais comuns em cachorros acima do peso, pois são compostos por células de gordura. Crescem lentamente, mas podem chegar a tamanhos consideráveis. São benignos, mas existe uma variante maligna chamada lipossarcoma. Histiocitoma Costumam aparecer em filhotes que têm entre 1 e 3 anos. Geralmente, desaparecem em pouco tempo, mas seu crescimento é rápido e possuem aparência de botões. Mastocitoma Esse tipo de tumor é mais frequente em boxers, bulldogs e pitbulls mais velhos, e, infelizmente, mais da metade dos casos de mastocitoma são malignos. Carcinoma de células escamosas Aparecem no abdômen, nariz ou lábios, sua aparência é de uma pequena área da pele ulcerada ou com uma crosta avermelhada. Esse tumor pode começar a sangrar conforme o avanço da doença, e causar bastante incômodo. É maligno, no entanto, se espalha lentamente. Melanoma É o nome usado para se referir a um grupo de tumores que podem surgir nas células que produzem a melanina. Costumam aparecer na pálpebra e boca, e ser malignos. Tumores mamários Os tumores de mama em cachorro podem ser benignos ou malignos e variam em tamanho, forma e consistência. É possível que haja tumores benignos e malignos ao mesmo tempo, e em todos os casos há indicação de cirurgia para remoção. Leia também: Mastectomia em cadelas Cachorro vomitando Mas, como identificar tumor em cachorro? Vários sintomas podem identificar a localização do câncer. Por exemplo, quando o câncer está localizado no cérebro, pode causar efeitos sobre o tronco cerebral, cerebelo ou cérebro, e isso se manifestar de diferentes formas. Nestes casos, um dos primeiros sinais e o mais comum deles são as convulsões. Com o tempo, podem se tornar mais frequentes, independentemente de medicação adequada ou não. Além disso, podem ocorrer mudanças de comportamento. O cão pode pressionar a cabeça em objetos, andar em círculos, desenvolver deficiência visual e até mesmo cegueira, ausência de reflexo de ameaça, etc. Um tumor cerebral em cachorro também pode ocasionar aumento da pressão arterial, diminuição da frequência cardíaca e ruídos na respiração, principalmente, em momentos em que o cão está dormindo. Muitos desses sinais podem ser confundidos como mudanças por conta da idade do animal, e a descoberta do problema pode ser tardia. Por isso, é muito importante que o tutor preste atenção nos sinais e comportamento do seu pet. Quais os órgãos mais afetados por tumores em cachorros? Os tumores costumam surgir em diversos locais, os mais afetados são: Pele; Rins ou bexiga; Fígado e baço; Mamas (fêmeas); Testículos ou ovários. O que causa câncer em cachorro? São diversas as causas de câncer em cachorro: idade (cães idosos possuem maior tendência a desenvolver a doença), hereditariedade, exposição demasiada ao sol, doenças virais e alimentação, além do crescimento dos hormônios no organismo, o que pode ser evitado com a castração. Quais os tipos de câncer em cachorro mais comuns? Os cânceres em cachorros são mais comuns em fêmeas do que em machos, tendo como seus tipos mais comuns: Câncer de pele em cachorro; Câncer de mama em cachorro; Câncer de testículo em cachorro; Cânceres intra-abdominais (internos), como útero, ovários, fígado, baço e pâncreas. VÍDEO: https://www.youtube.com/watch?v=ZH6dnlVaV6A&feature=emb_title O câncer em cachorro tem cura? A resposta mais simples é: dependendo do tipo, bem como do estadiamento em que se encontra. Nos dias de hoje, existem diversos meios de controlar e tratar essa patologia, dependendo, é claro, do estágio em que se encontra e quando é feito o diagnóstico de câncer em cachorro. Só por essas informações já se justifica, novamente, a importância de fazer exames de prevenção regulares, e buscar o diagnóstico precoce. Portanto, se você quer saber como tratar câncer em cachorro, confira alguns métodos que podem ser utilizados pelo veterinário logo após o diagnóstico: 1- Cirurgia Por meio do procedimento cirúrgico, é realizada a retirada (extração) do tumor maligno, com o máximo de margem possível (mínimo de 3 cm), lembrando que o tumor ainda pode voltar, por isso, o tratamento pós-cirúrgico é muito importante para minimizar as chances do câncer retornar. Já no caso de um tumor benigno, é necessário retirá-lo com cirurgia, sendo possível a cura sem tratamentos complementares. 2- Quimioterapia A quimioterapia consiste na administração de fármacos (intravenoso ou oral) com o objetivo de controlar (e até mesmo cessar) a multiplicação das células tumorais. Os efeitos colaterais são muito mais brandos que os apresentados pelos humanos, sendo imprescindível o acompanhamento com exames laboratoriais. 3- Eletroquimioterapia A eletroquimioterapia em cães e gatos é uma nova forma de tratamento, sendo conhecida por ser menos invasiva e por tratar a doença com impulsos elétricos (choque com voltagem calculada), fazendo com que o quimioterápico atue localmente e gerando a morte das células tumorais, evitando recidiva local. Tem uma ação local direcionada às células tumorais o que diminui os efeitos indesejáveis da quimioterapia, e potencializa sua ação. 4- Imunoterapia A imunoterapia é um tipo de tratamento biológico que tem como objetivo potencializar o sistema imunológico de maneira que este possa combater o câncer. Ainda se trata de uma modalidade terapêutica nova na medicina veterinária. Como prevenir o câncer em cachorro? A melhor forma de prevenção ao câncer é o diagnóstico precoce por meio das consultas de rotina, que podem evitar que problemas no organismo do animal se tornem um câncer. E mesmo em casos de carcinoma, com as idas regulares ao veterinário, possíveis tumores podem ser diagnosticados em seu estágio inicial, elevando a chance de cura e qualidade de vida do pet. Além disso, também é importante controlar os fatores de risco, como: Sol em excesso; Má alimentação; Obesidade; Inflamações crônicas no organismo; Falta de exercícios físicos. Que tal agendar um check-up? Entre em contato conosco o quanto antes e proteja o seu pet! Leia também: Avaliação cardíaca pré-cirúrgica

Assim como acontece nos seres humanos, um tumor em cachorro pode ser o sinal de câncer. Primeiro vamos entender: o que é um tumor? Tumor corresponde a um aumento de volume observado em qualquer parte do corpo, esse aumento de volume é originado pelo crescimento do número de células do local. O tumor pode ser benigno ou maligno, mais comumente chamado de câncer.  Essa doença é conhecida por necessitar de tratamentos delicados e precisar de bastante força e carinho dos tutores para ser vencida. 

A situação de ver um cachorro com câncer não é nada fácil e é exatamente por isso que é muito importante se manter bem informado sobre como proceder diante de um diagnóstico.  

Se você quer saber se câncer em cachorro tem cura, leia o texto abaixo!

Antes de tudo, o que é um câncer?

O câncer pode se manifestar na forma de tumores em seu cachorro, é uma doença bastante temida por qualquer tutor que ama o seu pet. 

Esta patologia é caracterizada pelo crescimento desordenado de células do animal. Também conhecido como tumor maligno, que pode se espalhar para outras regiões do organismo, o que é chamado como metástase.

No tumor benigno, o crescimento das células é mais ordenado e mais lento, e em geral não se espalha para outras regiões do corpo.

Mas saiba, existe tratamento para o câmcer em cachorro e milhares de histórias de casos de tratamento muito bem-sucedidos!

Como identificar câncer em cachorro?

Existem alguns casos em que o câncer em cão é silencioso, isto é, assintomático. O linfoma, o câncer que afeta o sistema linfático, por exemplo, é um deles,  que promove  o crescimento de células nos gânglios, os linfonodos. Não costuma manifestar dor, e às vezes demora para que os tutores observem algum sintoma. Por isso, é muito importante levar o pet regularmente a um veterinário, realizar exames laboratoriais e de imagem para identificação precoce dessas alterações. 

Apesar de acontecer em alguns casos, existem diversos outros tipos de tumor em cachorro que manifestam alguns sintomas específicos possibilitando que o tutor os identifique e encaminhe o pet o mais rápido possível a um hospital veterinário. 

Os sintomas de câncer em cachorro são muito semelhantes aos sintomas que aparecem nos seres humanos. Confira:

  • Linfonodos aumentados, como os caroços em pescoço e axilas
  • Fraqueza e apatia;
  • Dificuldade em comer, evacuar, respirar e urinar;
  • Sangramentos pelo corpo;
  • Feridas que não cicatrizam;
  • Partes do corpo inchadas.

Agora que você já conhece alguns dos sintomas de câncer em cachorro, é importante ressaltar que podem ser confundidos com qualquer outra doença. 

Portanto, o que é importante prestar atenção para identificar câncer em cão e como o organismo está emitindo esses sinais, mesmo não sendo específicos. Por isso, o diagnóstico precoce é um grande aliado para o tratamento que virá a seguir.

Assim como acontece nos seres humanos, um tumor em cachorro pode ser o sinal de câncer. Primeiro vamos entender: o que é um tumor? Tumor corresponde a um aumento de volume observado em qualquer parte do corpo, esse aumento de volume é originado pelo crescimento do número de células do local. O tumor pode ser benigno ou maligno, mais comumente chamado de câncer.  Essa doença é conhecida por necessitar de tratamentos delicados e precisar de bastante força e carinho dos tutores para ser vencida.   A situação de ver um cachorro com câncer não é nada fácil e é exatamente por isso que é muito importante se manter bem informado sobre como proceder diante de um diagnóstico.    Se você quer saber se câncer em cachorro tem cura, leia o texto abaixo!  Antes de tudo, o que é um câncer? O câncer pode se manifestar na forma de tumores em seu cachorro, é uma doença bastante temida por qualquer tutor que ama o seu pet.  Esta patologia é caracterizada pelo crescimento desordenado de células do animal. Também conhecido como tumor maligno, que pode se espalhar para outras regiões do organismo, o que é chamado como metástase. No tumor benigno, o crescimento das células é mais ordenado e mais lento, e em geral não se espalha para outras regiões do corpo. Mas saiba, existe tratamento para o câmcer em cachorro e milhares de histórias de casos de tratamento muito bem-sucedidos! Como identificar câncer em cachorro? Existem alguns casos em que o câncer em cão é silencioso, isto é, assintomático. O linfoma, o câncer que afeta o sistema linfático, por exemplo, é um deles,  que promove  o crescimento de células nos gânglios, os linfonodos. Não costuma manifestar dor, e às vezes demora para que os tutores observem algum sintoma. Por isso, é muito importante levar o pet regularmente a um veterinário, realizar exames laboratoriais e de imagem para identificação precoce dessas alterações.  Apesar de acontecer em alguns casos, existem diversos outros tipos de tumor em cachorro que manifestam alguns sintomas específicos possibilitando que o tutor os identifique e encaminhe o pet o mais rápido possível a um hospital veterinário.  Os sintomas de câncer em cachorro são muito semelhantes aos sintomas que aparecem nos seres humanos. Confira: Linfonodos aumentados, como os caroços em pescoço e axilas Fraqueza e apatia; Dificuldade em comer, evacuar, respirar e urinar; Sangramentos pelo corpo; Feridas que não cicatrizam; Partes do corpo inchadas. Agora que você já conhece alguns dos sintomas de câncer em cachorro, é importante ressaltar que podem ser confundidos com qualquer outra doença.  Portanto, o que é importante prestar atenção para identificar câncer em cão e como o organismo está emitindo esses sinais, mesmo não sendo específicos. Por isso, o diagnóstico precoce é um grande aliado para o tratamento que virá a seguir.    Tipos de tumor em cachorro   Há vários tipos de tumores que podem aparecer em cachorros, veja alguns dos principais tumores cutâneos: Papiloma São causados pelo vírus do papiloma oral canino e aparecem mais comumente em cachorros mais velhos. É um tumor benigno em cachorro e possui aspecto de verruga.  Lipoma São mais comuns em cachorros acima do peso, pois são compostos por células de gordura. Crescem lentamente, mas podem chegar a tamanhos consideráveis. São benignos, mas existe uma variante maligna chamada lipossarcoma.  Histiocitoma Costumam aparecer em filhotes que têm entre 1 e 3 anos. Geralmente, desaparecem em pouco tempo, mas seu crescimento é rápido e possuem aparência de botões.  Mastocitoma Esse tipo de tumor é mais frequente em boxers, bulldogs e pitbulls mais velhos, e, infelizmente, mais da metade dos casos de mastocitoma são malignos. Carcinoma de células escamosas Aparecem no abdômen, nariz ou lábios, sua aparência é de uma pequena área da pele ulcerada ou com uma crosta avermelhada. Esse tumor pode começar a sangrar conforme o avanço da doença, e causar bastante incômodo. É maligno, no entanto, se espalha lentamente.  Melanoma É o nome usado para se referir a um grupo de tumores que podem surgir nas células que produzem a melanina. Costumam aparecer na pálpebra e boca, e ser malignos.  Tumores mamários Os tumores de mama em cachorro podem ser benignos ou malignos e variam em tamanho, forma e consistência. É possível que haja tumores benignos e malignos ao mesmo tempo, e em todos os casos há indicação de cirurgia para remoção. Leia também:  Mastectomia em cadelas Cachorro vomitando  Mas, como identificar tumor em cachorro?   Vários sintomas podem identificar a localização do câncer. Por exemplo, quando o câncer está localizado no cérebro, pode causar efeitos sobre o tronco cerebral, cerebelo ou cérebro, e isso se manifestar de diferentes formas. Nestes casos, um dos primeiros sinais e o mais comum deles são as convulsões. Com o tempo, podem se tornar mais frequentes, independentemente de medicação adequada ou não.  Além disso, podem ocorrer mudanças de comportamento. O cão pode pressionar a cabeça em objetos, andar em círculos, desenvolver deficiência visual e até mesmo cegueira, ausência de reflexo de ameaça, etc.  Um tumor cerebral em cachorro também pode ocasionar aumento da pressão arterial, diminuição da frequência cardíaca e ruídos na respiração, principalmente, em momentos em que o cão está dormindo.  Muitos desses sinais podem ser confundidos como mudanças por conta da idade do animal, e a descoberta do problema pode ser tardia. Por isso, é muito importante que o tutor preste atenção nos sinais e comportamento do seu pet.  Quais os órgãos mais afetados por tumores em cachorros? Os tumores costumam surgir em diversos locais, os mais afetados são:  Pele; Rins ou bexiga; Fígado e baço; Mamas (fêmeas); Testículos ou ovários. O que causa câncer em cachorro? São diversas as causas de câncer em cachorro: idade (cães idosos possuem maior tendência a desenvolver a doença), hereditariedade, exposição demasiada ao sol, doenças virais e alimentação, além do crescimento dos hormônios no organismo, o que pode ser evitado com a castração. Quais os tipos de câncer em cachorro mais comuns? Os cânceres em cachorros são mais comuns em fêmeas do que em machos, tendo como seus tipos mais comuns:  Câncer de pele em cachorro;  Câncer de mama em cachorro;  Câncer de testículo em cachorro;  Cânceres intra-abdominais (internos), como útero, ovários, fígado, baço e pâncreas.  VÍDEO: https://www.youtube.com/watch?v=ZH6dnlVaV6A&feature=emb_title O câncer em cachorro tem cura? A resposta mais simples é: dependendo do tipo, bem como do estadiamento em que se encontra. Nos dias de hoje, existem diversos meios de controlar e tratar essa patologia, dependendo, é claro, do estágio em que se encontra e quando é feito o diagnóstico de câncer em cachorro. Só por essas informações já se justifica, novamente, a importância de fazer exames de prevenção regulares, e buscar o diagnóstico precoce. Portanto, se você quer saber como tratar câncer em cachorro, confira alguns métodos que podem ser utilizados pelo veterinário logo após o diagnóstico: 1- Cirurgia Por meio do procedimento cirúrgico, é realizada a retirada (extração) do tumor maligno, com o máximo de margem possível (mínimo de 3 cm), lembrando que o tumor ainda pode voltar, por isso, o tratamento pós-cirúrgico é muito importante para minimizar as chances do câncer retornar. Já no caso de um tumor benigno, é necessário retirá-lo com cirurgia, sendo possível a cura sem tratamentos  complementares. 2- Quimioterapia A quimioterapia consiste na administração de fármacos (intravenoso ou oral) com o objetivo de controlar (e até mesmo cessar) a multiplicação das células tumorais. Os efeitos colaterais são muito mais brandos que os apresentados pelos humanos, sendo imprescindível o acompanhamento com exames laboratoriais.  3- Eletroquimioterapia A eletroquimioterapia em cães e gatos é uma nova forma de tratamento, sendo conhecida por ser menos invasiva e por tratar a doença com impulsos elétricos (choque com voltagem calculada), fazendo com que o quimioterápico atue localmente e gerando a morte das células tumorais, evitando recidiva local. Tem uma ação local direcionada às células tumorais o que diminui os efeitos indesejáveis da quimioterapia, e potencializa sua ação.  4- Imunoterapia A imunoterapia é um tipo de tratamento biológico que tem como objetivo potencializar o sistema imunológico de maneira que este possa combater o câncer. Ainda se trata de uma modalidade terapêutica nova na medicina veterinária.   Como prevenir o câncer em cachorro?  A melhor forma de  prevenção ao câncer é o diagnóstico precoce por meio das consultas de rotina, que podem evitar que problemas no organismo do animal se tornem um câncer.  E mesmo em casos de carcinoma, com as idas regulares ao veterinário, possíveis tumores podem ser diagnosticados em seu estágio inicial, elevando a chance de cura e qualidade de vida do pet. Além disso, também é importante controlar os fatores de risco, como:  Sol em excesso; Má alimentação; Obesidade; Inflamações crônicas no organismo; Falta de exercícios físicos. Que tal agendar um check-up? Entre em contato conosco o quanto antes e proteja o seu pet! Leia também:  Avaliação cardíaca pré-cirúrgica

Tipos de tumor em cachorro 

Há vários tipos de tumores que podem aparecer em cachorros, veja alguns dos principais tumores cutâneos:

Papiloma

São causados pelo vírus do papiloma oral canino e aparecem mais comumente em cachorros mais velhos. É um tumor benigno em cachorro e possui aspecto de verruga. 

Lipoma

São mais comuns em cachorros acima do peso, pois são compostos por células de gordura. Crescem lentamente, mas podem chegar a tamanhos consideráveis. São benignos, mas existe uma variante maligna chamada lipossarcoma. 

Histiocitoma

Costumam aparecer em filhotes que têm entre 1 e 3 anos. Geralmente, desaparecem em pouco tempo, mas seu crescimento é rápido e possuem aparência de botões. 

Mastocitoma

Esse tipo de tumor é mais frequente em boxers, bulldogs e pitbulls mais velhos, e, infelizmente, mais da metade dos casos de mastocitoma são malignos.

Carcinoma de células escamosas

Aparecem no abdômen, nariz ou lábios, sua aparência é de uma pequena área da pele ulcerada ou com uma crosta avermelhada. Esse tumor pode começar a sangrar conforme o avanço da doença, e causar bastante incômodo. É maligno, no entanto, se espalha lentamente. 

Melanoma

É o nome usado para se referir a um grupo de tumores que podem surgir nas células que produzem a melanina. Costumam aparecer na pálpebra e boca, e ser malignos. 

Tumores mamários

Os tumores de mama em cachorro podem ser benignos ou malignos e variam em tamanho, forma e consistência. É possível que haja tumores benignos e malignos ao mesmo tempo, e em todos os casos há indicação de cirurgia para remoção.

Leia também: 

Mas, como identificar tumor em cachorro?  

Vários sintomas podem identificar a localização do câncer. Por exemplo, quando o câncer está localizado no cérebro, pode causar efeitos sobre o tronco cerebral, cerebelo ou cérebro, e isso se manifestar de diferentes formas.

Nestes casos, um dos primeiros sinais e o mais comum deles são as convulsões. Com o tempo, podem se tornar mais frequentes, independentemente de medicação adequada ou não. 

Além disso, podem ocorrer mudanças de comportamento. O cão pode pressionar a cabeça em objetos, andar em círculos, desenvolver deficiência visual e até mesmo cegueira, ausência de reflexo de ameaça, etc. 

Um tumor cerebral em cachorro também pode ocasionar aumento da pressão arterial, diminuição da frequência cardíaca e ruídos na respiração, principalmente, em momentos em que o cão está dormindo. 

Muitos desses sinais podem ser confundidos como mudanças por conta da idade do animal, e a descoberta do problema pode ser tardia. Por isso, é muito importante que o tutor preste atenção nos sinais e comportamento do seu pet. 

Quais os órgãos mais afetados por tumores em cachorros?

Os tumores costumam surgir em diversos locais, os mais afetados são:

  • Pele;
  • Rins ou bexiga;
  • Fígado e baço;
  • Mamas (fêmeas);
  • Testículos ou ovários.

O que causa câncer em cachorro?

São diversas as causas de câncer em cachorro: idade (cães idosos possuem maior tendência a desenvolver a doença), hereditariedade, exposição demasiada ao sol, doenças virais e alimentação, além do crescimento dos hormônios no organismo, o que pode ser evitado com a castração.

Quais os tipos de câncer em cachorro mais comuns?

Os cânceres em cachorros são mais comuns em fêmeas do que em machos, tendo como seus tipos mais comuns:

  •  Câncer de pele em cachorro;
  •  Câncer de mama em cachorro;
  •  Câncer de testículo em cachorro;
  •  Cânceres intra-abdominais (internos), como útero, ovários, fígado, baço e pâncreas.

O câncer em cachorro tem cura?

A resposta mais simples é: dependendo do tipo, bem como do estadiamento em que se encontra.

Nos dias de hoje, existem diversos meios de controlar e tratar essa patologia, dependendo, é claro, do estágio em que se encontra e quando é feito o diagnóstico de câncer em cachorro. Só por essas informações já se justifica, novamente, a importância de fazer exames de prevenção regulares, e buscar o diagnóstico precoce.

Portanto, se você quer saber como tratar câncer em cachorro, confira alguns métodos que podem ser utilizados pelo veterinário logo após o diagnóstico:

1- Cirurgia

Por meio do procedimento cirúrgico, é realizada a retirada (extração) do tumor maligno, com o máximo de margem possível (mínimo de 3 cm), lembrando que o tumor ainda pode voltar, por isso, o tratamento pós-cirúrgico é muito importante para minimizar as chances do câncer retornar.

Já no caso de um tumor benigno, é necessário retirá-lo com cirurgia, sendo possível a cura sem tratamentos  complementares.

2- Quimioterapia

A quimioterapia consiste na administração de fármacos (intravenoso ou oral) com o objetivo de controlar (e até mesmo cessar) a multiplicação das células tumorais.

Os efeitos colaterais são muito mais brandos que os apresentados pelos humanos, sendo imprescindível o acompanhamento com exames laboratoriais.

3- Eletroquimioterapia

A eletroquimioterapia em cães e gatos é uma nova forma de tratamento, sendo conhecida por ser menos invasiva e por tratar a doença com impulsos elétricos (choque com voltagem calculada), fazendo com que o quimioterápico atue localmente e gerando a morte das células tumorais, evitando recidiva local. Tem uma ação local direcionada às células tumorais o que diminui os efeitos indesejáveis da quimioterapia, e potencializa sua ação. 

4- Imunoterapia

A imunoterapia é um tipo de tratamento biológico que tem como objetivo potencializar o sistema imunológico de maneira que este possa combater o câncer. Ainda se trata de uma modalidade terapêutica nova na medicina veterinária.

Assim como acontece nos seres humanos, um tumor em cachorro pode ser o sinal de câncer. Primeiro vamos entender: o que é um tumor? Tumor corresponde a um aumento de volume observado em qualquer parte do corpo, esse aumento de volume é originado pelo crescimento do número de células do local. O tumor pode ser benigno ou maligno, mais comumente chamado de câncer. Essa doença é conhecida por necessitar de tratamentos delicados e precisar de bastante força e carinho dos tutores para ser vencida. A situação de ver um cachorro com câncer não é nada fácil e é exatamente por isso que é muito importante se manter bem informado sobre como proceder diante de um diagnóstico. Se você quer saber se câncer em cachorro tem cura, leia o texto abaixo! Antes de tudo, o que é um câncer? O câncer pode se manifestar na forma de tumores em seu cachorro, é uma doença bastante temida por qualquer tutor que ama o seu pet. Esta patologia é caracterizada pelo crescimento desordenado de células do animal. Também conhecido como tumor maligno, que pode se espalhar para outras regiões do organismo, o que é chamado como metástase. No tumor benigno, o crescimento das células é mais ordenado e mais lento, e em geral não se espalha para outras regiões do corpo. Mas saiba, existe tratamento para o câmcer em cachorro e milhares de histórias de casos de tratamento muito bem-sucedidos! Como identificar câncer em cachorro? Existem alguns casos em que o câncer em cão é silencioso, isto é, assintomático. O linfoma, o câncer que afeta o sistema linfático, por exemplo, é um deles, que promove o crescimento de células nos gânglios, os linfonodos. Não costuma manifestar dor, e às vezes demora para que os tutores observem algum sintoma. Por isso, é muito importante levar o pet regularmente a um veterinário, realizar exames laboratoriais e de imagem para identificação precoce dessas alterações. Apesar de acontecer em alguns casos, existem diversos outros tipos de tumor em cachorro que manifestam alguns sintomas específicos possibilitando que o tutor os identifique e encaminhe o pet o mais rápido possível a um hospital veterinário. Os sintomas de câncer em cachorro são muito semelhantes aos sintomas que aparecem nos seres humanos. Confira: Linfonodos aumentados, como os caroços em pescoço e axilas Fraqueza e apatia; Dificuldade em comer, evacuar, respirar e urinar; Sangramentos pelo corpo; Feridas que não cicatrizam; Partes do corpo inchadas. Agora que você já conhece alguns dos sintomas de câncer em cachorro, é importante ressaltar que podem ser confundidos com qualquer outra doença. Portanto, o que é importante prestar atenção para identificar câncer em cão e como o organismo está emitindo esses sinais, mesmo não sendo específicos. Por isso, o diagnóstico precoce é um grande aliado para o tratamento que virá a seguir. Tipos de tumor em cachorro Há vários tipos de tumores que podem aparecer em cachorros, veja alguns dos principais tumores cutâneos: Papiloma São causados pelo vírus do papiloma oral canino e aparecem mais comumente em cachorros mais velhos. É um tumor benigno em cachorro e possui aspecto de verruga. Lipoma São mais comuns em cachorros acima do peso, pois são compostos por células de gordura. Crescem lentamente, mas podem chegar a tamanhos consideráveis. São benignos, mas existe uma variante maligna chamada lipossarcoma. Histiocitoma Costumam aparecer em filhotes que têm entre 1 e 3 anos. Geralmente, desaparecem em pouco tempo, mas seu crescimento é rápido e possuem aparência de botões. Mastocitoma Esse tipo de tumor é mais frequente em boxers, bulldogs e pitbulls mais velhos, e, infelizmente, mais da metade dos casos de mastocitoma são malignos. Carcinoma de células escamosas Aparecem no abdômen, nariz ou lábios, sua aparência é de uma pequena área da pele ulcerada ou com uma crosta avermelhada. Esse tumor pode começar a sangrar conforme o avanço da doença, e causar bastante incômodo. É maligno, no entanto, se espalha lentamente. Melanoma É o nome usado para se referir a um grupo de tumores que podem surgir nas células que produzem a melanina. Costumam aparecer na pálpebra e boca, e ser malignos. Tumores mamários Os tumores de mama em cachorro podem ser benignos ou malignos e variam em tamanho, forma e consistência. É possível que haja tumores benignos e malignos ao mesmo tempo, e em todos os casos há indicação de cirurgia para remoção. Leia também: Mastectomia em cadelas Cachorro vomitando Mas, como identificar tumor em cachorro? Vários sintomas podem identificar a localização do câncer. Por exemplo, quando o câncer está localizado no cérebro, pode causar efeitos sobre o tronco cerebral, cerebelo ou cérebro, e isso se manifestar de diferentes formas. Nestes casos, um dos primeiros sinais e o mais comum deles são as convulsões. Com o tempo, podem se tornar mais frequentes, independentemente de medicação adequada ou não. Além disso, podem ocorrer mudanças de comportamento. O cão pode pressionar a cabeça em objetos, andar em círculos, desenvolver deficiência visual e até mesmo cegueira, ausência de reflexo de ameaça, etc. Um tumor cerebral em cachorro também pode ocasionar aumento da pressão arterial, diminuição da frequência cardíaca e ruídos na respiração, principalmente, em momentos em que o cão está dormindo. Muitos desses sinais podem ser confundidos como mudanças por conta da idade do animal, e a descoberta do problema pode ser tardia. Por isso, é muito importante que o tutor preste atenção nos sinais e comportamento do seu pet. Quais os órgãos mais afetados por tumores em cachorros? Os tumores costumam surgir em diversos locais, os mais afetados são: Pele; Rins ou bexiga; Fígado e baço; Mamas (fêmeas); Testículos ou ovários. O que causa câncer em cachorro? São diversas as causas de câncer em cachorro: idade (cães idosos possuem maior tendência a desenvolver a doença), hereditariedade, exposição demasiada ao sol, doenças virais e alimentação, além do crescimento dos hormônios no organismo, o que pode ser evitado com a castração. Quais os tipos de câncer em cachorro mais comuns? Os cânceres em cachorros são mais comuns em fêmeas do que em machos, tendo como seus tipos mais comuns: Câncer de pele em cachorro; Câncer de mama em cachorro; Câncer de testículo em cachorro; Cânceres intra-abdominais (internos), como útero, ovários, fígado, baço e pâncreas. VÍDEO: https://www.youtube.com/watch?v=ZH6dnlVaV6A&feature=emb_title O câncer em cachorro tem cura? A resposta mais simples é: dependendo do tipo, bem como do estadiamento em que se encontra. Nos dias de hoje, existem diversos meios de controlar e tratar essa patologia, dependendo, é claro, do estágio em que se encontra e quando é feito o diagnóstico de câncer em cachorro. Só por essas informações já se justifica, novamente, a importância de fazer exames de prevenção regulares, e buscar o diagnóstico precoce. Portanto, se você quer saber como tratar câncer em cachorro, confira alguns métodos que podem ser utilizados pelo veterinário logo após o diagnóstico: 1- Cirurgia Por meio do procedimento cirúrgico, é realizada a retirada (extração) do tumor maligno, com o máximo de margem possível (mínimo de 3 cm), lembrando que o tumor ainda pode voltar, por isso, o tratamento pós-cirúrgico é muito importante para minimizar as chances do câncer retornar. Já no caso de um tumor benigno, é necessário retirá-lo com cirurgia, sendo possível a cura sem tratamentos complementares. 2- Quimioterapia A quimioterapia consiste na administração de fármacos (intravenoso ou oral) com o objetivo de controlar (e até mesmo cessar) a multiplicação das células tumorais. Os efeitos colaterais são muito mais brandos que os apresentados pelos humanos, sendo imprescindível o acompanhamento com exames laboratoriais. 3- Eletroquimioterapia A eletroquimioterapia em cães e gatos é uma nova forma de tratamento, sendo conhecida por ser menos invasiva e por tratar a doença com impulsos elétricos (choque com voltagem calculada), fazendo com que o quimioterápico atue localmente e gerando a morte das células tumorais, evitando recidiva local. Tem uma ação local direcionada às células tumorais o que diminui os efeitos indesejáveis da quimioterapia, e potencializa sua ação. 4- Imunoterapia A imunoterapia é um tipo de tratamento biológico que tem como objetivo potencializar o sistema imunológico de maneira que este possa combater o câncer. Ainda se trata de uma modalidade terapêutica nova na medicina veterinária. Como prevenir o câncer em cachorro? A melhor forma de prevenção ao câncer é o diagnóstico precoce por meio das consultas de rotina, que podem evitar que problemas no organismo do animal se tornem um câncer. E mesmo em casos de carcinoma, com as idas regulares ao veterinário, possíveis tumores podem ser diagnosticados em seu estágio inicial, elevando a chance de cura e qualidade de vida do pet. Além disso, também é importante controlar os fatores de risco, como: Sol em excesso; Má alimentação; Obesidade; Inflamações crônicas no organismo; Falta de exercícios físicos. Que tal agendar um check-up? Entre em contato conosco o quanto antes e proteja o seu pet! Leia também: Avaliação cardíaca pré-cirúrgica

Como prevenir o câncer em cachorro?

A melhor forma de  prevenção ao câncer é o diagnóstico precoce por meio das consultas de rotina, que podem evitar que problemas no organismo do animal se tornem um câncer. 

E mesmo em casos de carcinoma, com as idas regulares ao veterinário, possíveis tumores podem ser diagnosticados em seu estágio inicial, elevando a chance de cura e qualidade de vida do pet.

Além disso, também é importante controlar os fatores de risco, como:

  • Sol em excesso;
  • Má alimentação;
  • Obesidade;
  • Inflamações crônicas no organismo;
  • Falta de exercícios físicos.

Que tal agendar um check-up? Entre em contato conosco o quanto antes e proteja o seu pet!

Leia também: